Veja Mais:

Consciência

Expansão da Consciência

 

Existem várias ferramentas para o estudo do Autoconhecimento, como a Astrologia e o Tarô. O maior objetivo é conhecer melhor a nossa personalidade e colocar em prática os nossos potenciais. Se utilizarmos um oráculo não para prever o futuro, mas sim para indicar um caminho, então, diante das inúmeras possibilidades de caminhos a percorrer, podemos assumir a liderança do nosso destino, escolhendo o que é melhor para nós.

 

Outras formas de estudo acontecem por meio da leitura, meditação e partilha de textos e mensagens dos grandes Mestres da Humanidade. Independente de qualquer religião, todos os livros sagrados trazem mensagens de superação das limitações. São exemplos reais de redenção, transmutação, compaixão e ascensão espiritual.

 

Quando falamos de espiritualidade falamos da capacidade que o ser humano tem em acreditar e seguir algo maior, ética e moralmente, de acordo com o padrão de crenças de cada um. Isso inclui também o pensamento científico. A ciência tem dado grandes passos nessa direção, notadamente a mecânica quântica.

 

Vamos tomar como exemplo o átomo: antes indivisível, se revelou um agrupamento de partículas muito menores. Nesse mundo diminuto de interação entre os componentes da matéria, essas partículas também podem se comportar como ondas e, em determinados experimentos, elas só tomam posição na presença de um observador externo. Somando isso à conclusão de Einstein que a matéria é energia condensada e a energia é matéria em estado radiante, temos a visualização de um universo como um grande oceano de energia, que se condensa nesse mundo visível pela vontade das consciências co-criadoras que nele se encontram: Nós. O que diferencia uma pedra de um animal pode ser apenas o número de vibrações dessas ondas condensadas, como as vibrações do som dos instrumentos de uma orquestra.

 

É um bom exemplo de como a ciência está se aproximando da conclusão que estamos todos interligados por uma mesma energia. Uma força que sustenta tudo e todos  e que pode ser chamada por mil nomes – O Poder Infinito Creador, Deus, Alá, Brahman, Tao, Olorun, Ra, Grande Arquiteto do Universo, etc.

 

 

 

- A Raposa e a Vinha:

 

Uma raposa faminta se aproximou do perfumado vinhedo, indicando que estava na época da colheita. Apesar de faminta, a raposa estava gorducha. Mediu bem a cerca de arame e pensou:

 

- Somente a minha cabeça pode passar por este arame farpado. Jejuarei por três dias e, finalmente, terei o prêmio das suculentas uvas.

 

Assim fez. Magrinha, no terceiro dia, atravessou tranquilamente a cerca e refestelou-se. Comeu uvas até dizer: Basta. E ficou gorducha novamente. Mediu bem a cerca de arame e pensou:

 

- Somente minha cabeça pode passar por este arame farpado. Jejuarei por três dias e, finalmente estarei livre deste cercado e assim não correrei riscos, pois não tarda e os zeladores me descobrirão aqui.

 

Assim fez. Magrinha, no terceiro dia, atravessou a cerca tranquilamente e olhou para trás:

 

- Vinhedo, vinhedo... Que ilusão... Do jeito que entrei, saí...

 

 

- Conclusão:

 

Segundo o raciocínio holístico compreendemos que a raposa representa o desejo e a vinha representa Maya - a grande ilusão, o Mundo onde todos estão apenas de passagem. No mundo de Maya tudo é ilusório, tudo é impermanente e o desejo se apresenta como a mola propulsora de todos os impulsos humanos.

 

Da mesma maneira ingressa o vivente nesse mundo: faminto. A saída desse mundo pode ser diferente, se o indivíduo compreender o desejo (responsável por muitos pontos invisíveis de conexão).

 

O desejo acorrenta, pois prende a alma à esfera material de forma densa. Quando conseguimos transmutar o desejo, ele se torna sublime e então o vivente aprende a ter domínio sobre si mesmo. Então já não se fala de desejo e sim de vontade, um poder espiritual que transcende as conexões da imensa rede de fios invisíveis, que abarca todos os seres.

 

Quais as variáveis possíveis para a raposa diante dos dois desejos? O seu primeiro desejo foi de satisfação e o segundo desejo, de liberdade. Vamos raciocinar sobre: para toda intenção existe uma oposição. Da mesma forma acontece na vida humana.

 

Preciso perceber que, neste mundo, sem oposição não existe evolução, porque sem empenho para superar os desafios não existiria aprimoramento pessoal para atingir as metas.

 

Agora vamos raciocinar sobre o jejum: a raposa se restringiu em um determinado momento para conquistar um melhor resultado em seguida. Isto significa “restringir aqui para conquistar ali” ou “soltar uma coisa para agarrar outra.” A raposa dominou o seu desejo de comer para poder, em seguida, desfrutar muito mais das uvas doces e suculentas. Na vida humana isto representa a virtude do autodomínio, princípio de adaptabilidade e economia. Uma pessoa economiza aqui, para conquistar algo maior ali. Através das restrições na alimentação e dieta selecionada é que se conquista mais saúde e equilíbrio. Da mesma forma acontece com a mãe natureza: pelo seu princípio seletivo ela destrói, depura ou purifica aqui para construir e oferecer mais vida ali. O elo oculto é que tudo caminha em busca da sua satisfação.

 

Para finalizar vamos raciocinar sobre as conexões ocultas na estória da raposa. A mente desenvolve o raciocínio através das hipóteses e da lógica dedutiva. Então, por que a raposa não ficou na vinha? O desejo de liberdade é, no final das contas, o maior dentre todos os desejos, o mais forte e vem da inteligência espiritual.

 

Na raposa predominou o seu instinto de preservação, pois a vinha tal como se apresentava, estava sob o zelo do capricho humano. Ela poderia se mover pelo medo e não pelo instinto de liberdade, já que raposas têm pensamentos limitados. Assim, também os seres humanos que não desenvolvem seu raciocínio holístico, não pensam muito em conexões e se movem pelo medo.

 

Seres humanos que desenvolvem o raciocínio holístico aprendem a quebrar as sementes de sentimentos, ideias, palavras e ações hostis, antes de germinarem. Mais inteligente do que uma raposa, o ser humano pode, se quiser, cultivar apenas sementes boas em seu íntimo.